Arquivo da categoria: Missões

Ainda há muito a alcançar orando, ofertando e enviando!

MISSIOLOGIA

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE MISSÕES! 

A tarefa da Igreja de Jesus Cristo na terra é pregar o evangelho a toda a criatura. A esta atividade, chamamos MISSÕES!

Provavelmente você Pastor Luiz Antoniojá ouviu muitos pregadores falando sobre missões, e tem ouvido expressões como: missiólogos, missionários, obreiro autóctone, etnia, grupo etnolinguístico, povo, nação, povo não alcançado, janela 10×40, Mundo A, B e C, Evangelização E0, E1, E2, E3…

Todas estas expressões são comuns à teologia de missões, e é importante o conhecimento delas. Muitas destas terminologias vamos encontrar nas páginas das Escrituras, especialmente nos textos que se referem à chamada “Grande Comissão”, como por exemplo: Mateus 28.18-20; Marcos 16.15-16, Atos 1.8; Apocalipse 5.9 e 7.9, João 4.35.

É especialmente baseado nestes textos que tiramos os conceitos de missões sobre os quais formamos a nossa teologia e definimos nossas estratégias missionárias, no entanto podemos com certeza dizer que a Bíblia é um livro missionário do início ao fim, pois trata da ação de Deus no mundo por intermédio de Israel Seu povo escolhido, no Antigo Testamento e no Novo Testamento através da Igreja de Jesus Cristo.
O conhecimento dessas terminologias e seus respectivos conceitos pode ser importante para melhor compreensão da tarefa missionária da igreja e da denominação.

Certamente isso facilitará o melhor entendimento do discurso missionário ampliando a visão e contribuindo para a dinamização da ação missionária denominacional.

Abaixo segue uma lista de terminologias missiológicas com seus respectivos conceitos.

Termo

Conceito

 ACULTURAÇÃO

É o fenômeno ou conjunto de fenômenos no qual um indivíduo perde seus valores culturais que lhe são familiares, para adquiri-los em outra cultura.

OBREIRO AUTÓCTONE

Obreiro Nativo – indivíduo natural da terra onde vive.

IGREJA AUTÓCTONE

Diz-se da igreja estruturada dentro da sua própria cultura, sem observar as características da igreja a qual pertence o missionário que a estabeleceu.

COSTUMES

Normalmente, são práticas observadas e transmitidas de geração em geração. Costumes podem sofrer alterações através dos tempos e podem ser diferentes em países diferentes.

CULTURA

Cultura pode ser definida como o sistema integrado de padrões de comportamento aprendidos, ideias e produtos que caracterizam uma sociedade. Diz-se comumente de uma pessoa que tem cultura como sendo aquela que tem bom estudo, boa posição social, etc.. Mas não é esse o conceito missiológico.

 ETNIA

É o aglomerado humano homogêneo, com uma vida social, material e psíquica formada em moldes idênticos. Uma etnia “é formada por um conjunto de características somáticas, linguísticas e culturais semelhantes”.           A diferença entre etnia e nação é que uma nação pode ser composta de várias etnias. Hoje na África se vê quão problemático é quando não se atenta para o fato da distinção que há entre nação e etnia. Pois inúmeros países sofrem com conflitos étnicos intermináveis.

EVANGELISMO

E0, E1, E2, E3

Escala usada para medir a distância cultural que o missionário deve atravessar desde sua própria cultura para evangelizar e estabelecer igrejas.

E0 se refere à tarefa de ganhar para Cristo os filhos de crentes;

E1 quando se evangeliza cristãos nominais;

E2 quando se evangeliza gente de uma cultura parecida, mas não idêntica à do missionário; e

E3 quando o missionário deve evangelizar gente de uma cultura diferente da sua.

GRANDE COMISSÃO

Textos bíblicos relacionados com o mandamento de Jesus aos seus discípulos, que mostram tanto a ênfase como o alcance da missão apostólica.

 JANELA 10×40

Área do mundo localizada entre as latitudes 10 e 40 graus ao norte da linha do Equador que cobre o Norte da África, Oriente Médio e Ásia. A Janela 10×40 cobre a área menos evangelizada do mundo e também a mais pobre, e onde a maior parte dos governos se opõem ao cristianismo.

 MISSIONÁRIO

O termo tem origem na palavra apóstolo, que quer dizer, enviado com a autoridade de quem envia.            O missionário seria a pessoa encarregada de plantar igrejas no mundo e estabelecer a doutrina. Modernamente chamamos missionário aquele que sai com uma missão especial a mando da igreja, seja ela para projetos de evangelização ou projetos sociais e educacionais, além das fronteiras da igreja local, especialmente no exterior.

 

MISSIÓLOGO

Pessoa especializada em missões. Se dedica a estudar as características dos povos, estratégias próprias para cada grupo humano, a antropologia missionária, as questões próprias dos missionários no campo, e os métodos de evangelização.

MUNDO A

No esquema dos três mundos que os missiólogos usam, refere-se ao mundo não-evangelizado, ou seja, toda a população que jamais ouviu falar de Jesus Cristo.

MUNDO B

No esquema acima citado, dos três mundos, faz referência ao mundo evangelizado, mas não cristão.

 MUNDO C

No mesmo esquema, significa o mundo “cristão”, ou seja, todos aqueles que se consideram cristãos (incluindo, obviamente, todos os nominais).

NAÇÃO

São entidades geopolíticas que são identificadas por suas fronteiras estabelecidas e governos mundialmente reconhecidos.

POVO

Agrupamento de indivíduos que têm entre si uma afinidade porque compartilham aspectos culturais comuns como: língua, religião, etnia, morada, profissão, classe ou casta social ou uma combinação destes fatores.

POVO 

ETNOLINGUÍSTICO

É um grupo étnico ou racial, distinto de outros, que fala o mesmo idioma ou língua materna. Pode se encontrar vivendo dentro de um só país ou distribuído por vários.

POVO NÃO ALCANÇADO

É um grupo humano onde não existe presença evangélica, que não dispõe de recursos humanos ou financeiros para alcançar o evangelho, dependendo por isso de esforço externo.

O termo Não Alcançado ou Não Evangelizado surgiu para definir um grupo de indivíduos no qual não há uma comunidade nativa de crentes (cristãos) capazes de evangeliza-lo. Muitos destes grupos não têm conhecimento de quem é Deus. Não conhecem a Jesus, seu filho e desconhecem a necessidade de salvação. Alguns destes grupos não tem sequer uma estrutura de linguagem escrita formada, não leem nem escrevem em seus próprios idiomas. Já outros possuem uma bem dividida estrutura social, dominam a escrita e possuem uma forte e milenar estrutura religiosa.

POVO NÃO EVANGELIZADO

É um grupo humano que ainda que posam ter um conhecimento mínimo do evangelho ou de Deus, não tiveram a oportunidade real de responder a este evangelho.
 

POVO OCULTO

É um grupo humano (povo) que embora esteja no alcance geográfico da Igreja, está longe de sua “vista”, ou dos recursos que permitam à igreja evangelizá-lo, dependendo por isso de apoio transcultural.

 RAÇA

Conjunto de indivíduos que possuem tronco comum e características semelhantes, dentro da sua espécie, geração, casta, origem, estirpe. Em antropologia, é um conceito biológico em que as raças humanas agrupam-se segundo características de cor da pele, a cor e forma do cabelo, a configuração do crânio, os grupos sanguíneos etc.

TRIBO

Grupo étnico unido pela língua, usos e tradições, que vive em comunidade sob um ou mais líderes.

  1. Situação Do Mundo Atual

 

 

 

 

Pastor Luiz Antonio
Cristãos 2.000.000.000
Muçulmanos 1.240.500.000
Hindus 846.500.000
Budistas 370.000.000
Novas Religiões 104.000.000
Religiões Tribais 230.000.000
Ortodoxos 216.000.000
Sikhs 23.500.000
Judeus 15.000.000
Ateus 151.000.000
Sem Religião 770.000.000
Católicos Romanos 1.056.920.000
Católicos não Romanos 6.688.000
Pentecostais e Carismáticos 650.000.000
Protestantes 350.040.000
 

Obs: Dados aproximados com base em pesquisas: Internet / Global Evangelization Movement / E. Blitanica  / Lid. Mundiais.

 

 

 

Financiando Missões

Na Inglaterra, do século XVIII um sapateiro e pregador leigo chamado William Carey sentiu-se chamado para o trabalho transcultural na índia. Após muito trabalhar Carey conseguiu comprar as passagens e embarcou para o sul da índia numa viagem de 5 meses de navio, juntamente com sua esposa Doroty e cinco filhos, estando o menor com apenas 3 meses de vida. Permaneceu trabalhando naquele país durante 41 anos, traduziu a Bíblia inteira para o bengalês, sânscrito e marathi idiomas locais e o Novo Testamento para varias outras línguas; fundou escolas cristãs, foi usado na conversão de grande número de hindus e na formação de várias Igrejas, além de discipular muitos pregadores nativos.

Sem dúvida ele impactou a índia com a mensagem do evangelho. Porém, nestes 41 anos de trabalho o que poucos sabem é que ele e sua família tiveram tempos críticos: sofreram doenças, mortes, fome, falta de um teto onde dormir; e isto pela falta de sustento financeiro por parte das inúmeras Igrejas inglesas. Entretanto foram as ofertas de duas idosas viúvas e sua capacidade de “fazer tendas” por onde passava que garantiu sua sobrevivência e ministério.

Hoje ele é chamado de “o pai das Missões modernas”, porém, durante a sua vida, foram apenas poucas pessoas que reconheceram em seu entusiasmo a vontade de Deus em alcançar aquele país (Índia).

Certa vez, durante uma palestra sobre Missões numa pequena Igreja, um presbítero se levantou com bastante sinceridade e disse: “Isto tudo é impressionante, porém, nossa Igreja é pequena demais para participar. Nós não temos muito dinheiro”.

A questão central quando se trata de missões não é quanto se tem para dar, se somos ricos ou pobres, mas o desejo por missões é que conta e a oferta ainda que pequena será bem vinda. William Carey financiou sua própria missão porque amava missões e queria ver a Índia salva, porém muitos de nós ainda nem se quer conseguimos ofertar 5,00 reais por mês! Se você orar Deus te ajudará a vencer esta barreira. A Igreja Brasileira precisa ter uma visão do mundo pelo simples fato de que esta é a visão de Deus, “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; (Mateus 28 : 19)”. Comumente nossa visão “fecha-se” em torno daquele país ou povo com o qual temos maior afinidade e conhecemos missionários que ali trabalham, sabemos de detalhes sobre a língua, cultura, política etc. muitos dizem: não estamos evangelizando nem nosso próprio País como vamos evangelizar fora?! Mas o fato a ser encarado com maturidade é que Jesus disse: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. (Atos 1 : 8)”. A expressão “tanto” e “como” indicam simultaneidade, ou seja fazer missão dentro e fora do país ao mesmo tempo, porque a seara do Senhor não é somente nosso país, mas o mundo! Não podemos ter  visão apenas de África ou Ásia; é necessário termos visão do mundo! Buscarmos sempre as novas fronteiras, os povos ainda não alcançados e os grupos de resistência como janela 10/40; janela brasileira. Não podemos nos conformar com o envolvimento atual e restrito da Igreja com missões: precisamos de mais, sempre mais, até o último povo.

Gostaria de enfatizar, também, que é necessário olharmos de forma especial para os 8.000 Povos Não Alcançados espalhados pelo mundo e se não pudermos ir, vamos financiar quem possa! Creio que a síntese de Paulo a este respeito em Rm. 10 expõe a crise de tais povos:

“Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram ? E como ouvirão se não há quem pregue ? E como pregarão se não forem enviados? Como está escrito: quão formosos são os pés dos que anunciam cousas  boas”. (Rm 10:13-15). Esta Escritura  fala da salvação para todo que invocar o Senhor; porém, não se pode invocar sem crer; não se pode crer sem ouvir; não se pode ouvir se não há quem pregue; não se pode pregar se não há quem envie. Que povos você acha que havia na mente do apóstolo Paulo quando disse estas palavras? Sem dúvida, era aqueles que ainda não ouviram o evangelho: os povos não alcançados; e creio ser explícito na teologia Paulina a prioridade de tais povos no ministério da Igreja. Esta comissão é urgente, vamos ORAR, OFERTAR E IR, MISSÃO SE FAZ COM CADA CRENTE!

                                                                                                                                                                                                              Pastor Luiz Antonio  –  Diretor de Missões da IPRR

O Papel da Igreja Local

A Igreja Local

Jesus em suas últimas instruções aos seus discípulos, antes de sua ascensão, deu à sua igreja representada ali, uma ordem, e não uma sugestão, de evangelizar o mundo e fazer novos discípulos (Mt 28.19; At 1.8). Seus discípulos deveriam proclamar o evangelho a toda criatura (Mc 16.15). E esta ordem não foi somente para aquela época, mas ainda faz parte da missão imperativa da igreja de hoje. A missão da igreja baseia-se na missão de Deus de reconciliar a humanidade consigo mesmo, através do Evangelho. Somos, portanto, enviados a evangelizar o mundo e tornar o Evangelho disponível a toda criatura. A evangelização é a apresentação inteligível, atrativa, significativa, propositada e persuasiva do Evangelho. A ênfase no Novo Testamento é a proclamação verbal do Evangelho. Mais de 140 vezes o Novo Testamento usa palavras tais como diagello, “anunciar”; kataggello, “contar totalmente”; evangelizo, “espalhar boas novas”; ladeo, “conversar” ou “falar”; e kerusso, “anunciar” ou “proclamar”. Este é o papel da igreja local através de cada membro convertido. A grande comissão enviada por Jesus deve alcançar cada pessoa individualmente, cada povo, tribo, lingua e nação para que o arrebatamento da Igreja de Jesus tenha lugar. Ainda há muito o que fazer, pois ainda há cerca de 2,5 bilhões de pessoas que nunca ouviram o Nome de Jesus nem sequer uma vez. É uma vasta multidão que representa 15 vezes a população do Brasil, 140 vezes a população da cidade de São Paulo e 17 mil vezes o Maracanã lotado, em dia de jogo. O mundo ainda tem 1,2 bilhão de muçulmanos, 770 milhões de hindus e 360 milhões de budistas, enquanto, apenas 2 bilhões de pessoas são consideradas cristãs. Destes quantos realmente são nascidos de novo? Existem por volta de 190 nações politicamente organizadas no mundo; 12.500 grupos étnicos; 6.527 línguas das quais mais de 4.000 ainda não possuem Bíblias traduzidas. De toda a população mundial existem 1,1 bilhão de pessoas que são analfabetas, e somente serão salvas se ouvirem e crerem no Evangelho de Jesus. Também ainda é muito grande o número de pessoas que ignoram estes dados e muito pequeno o número de pregadores que conhecem e falam sobre estes assuntos. Grandes Congressos intitulados “missionários” acontecem todo ano no Brasil e não vemos pregadores discorrerem especificamente sobre missões, porque? Primeiro porque Satanás impede a muitos de falar sobre este assunto, segundo porque de fato seus corações não estão voltados para missões. Missões locais e transculturais são o assunto principal da Bíblia, “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” Mat 28,19,20. Vamos falar de Jesus irmãos até que ELE venha e para que ninguém pereça!

Como Evangelizar com Folhetos!

Figura2

 

EVANGELIZANDO COM FOLHETOS

Você sabia, que João Ferreira de Almeida, o irmão que traduziu a Bíblia do Latim para a língua portuguesa, converteu-se a Jesus quando leu um folheto sobre “As diferenças entre o Catolicismo e o Cristianismo”? Então querido irmão, não devemos ignorar essa tão preciosa ferramenta que Deus tem colocado a nossa disposição.

O QUE FAZER ANTES DE ENTREGAR UM FOLHETO?

1º – Leia todos os folhetos que pretende entregar, se for mais de um título utilizado, pois pode ocorrer que você seja questionado acerca do assunto que há nele. Imagine a pessoa a quem você vai entregar um folheto lhe perguntando algo sobre ele e você não tendo conhecimento do conteúdo, é grave não é? Portanto leia-o.
2º – Antes de começar a entregar os folhetos, ore e peça direção a Deus de como e onde realizar o evangelismo, principalmente se você vai fazer um evangelismo pessoal. Evangelismo pessoal é aquele em que você gasta tempo com a pessoa que recebe o folheto pregando pra ela, e que é bem diferente de simplesmente sair distribuindo folhetos. Após entregar o folheto Interceda em oração pelas pessoas que lerão os folhetos.
3º – Não entregue os folhetos como se estivesse distribuindo uma propaganda deste mundo, sempre pergunte: “O senhor (a) aceita ler uma mensagem da Palavra de Deus?”. Se a pessoa lhe responder verbalmente “sim”, entregue o folheto. Você não deve ter medo de ninguém, pois em Ezequiel 3:9 diz: “Fiz como diamante a tua fronte, mais forte do que a pederneira; não os temas, pois, nem te assombres com os seus rostos, porque são casa rebelde.”

 

Missão Transcultural – o que é e pra que?

Figura1

Com tanto que há para se fazer na obra de Deus é impossível imaginar que haja crentes sem compromisso com a obra do Senhor. Nosso slogan atual de missões é: “Missão se faz com cada crente”! Você como filho de Deus salvo tem a responsabilidade de promover maior interesse pelo trabalho missionário. Mostre aos seus amigos e irmãos que eles não são salvos apenas para serem receptáculos das bênçãos do Senhor, mas para abençoar outros povos realizando algum trabalho que possa de alguma forma levar as nações a reconhecerem que só o Senhor é Deus. Você, com certeza, será usado pelo Senhor para conta­giá-los a buscarem um avivamento espiritual que resulte em um envolvimento profundo com a obra missionária. A salvação é para toda a huma­nidade. Realizar a tarefa da evangelização mundial é um sério compromisso bíblico do povo de Deus com a Sua obra, e não é justo que pela negligência da Igreja os povos não ouçam a voz de Deus e sejam apanhados pelo Seu juízo. Os olhos do Senhor estão por toda a parte, acompanhando passo a passo a ação da Igreja na proclamação da mensagem do Reino de Deus. Em cada cultura cabe aos enviados do Senhor encontrar os instrumentos adequados para proclamar de forma clara, aceitável e consciente a mensagem do Evangelho, isto é missão transcultural. Tudo que se requer da Igreja é a mobilização total e a prioridade absoluta para a evangelização simultânea até os confins da Terra. O plano de Deus através dos séculos só terá seu cumprimento final mediante a proclamação do evangelho pela Igreja até os confins da Terra. Missões transculturaís, portanto, não é uma teoria, mas um sério compromisso bíblico do povo de Deus com a Sua obra. A ordenança bíblica da proclamação do evangelho em todo o mundo (Mt 28.19,20; Mc 16.15) sinaliza o seu caráter universal, ou seja, o direito que todos os povos têm de ouvi-lo de forma clara e consciente para crerem no Senhor Jesus Cristo, arrepender-se de seus pecados e ter a certeza da vida eterna. Jesus não é propriedade exclusiva de um povo, Ele é de todos e para todos! Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; Jo 1,12. Em toda a história bíblica os juízos de Deus jamais são executados sem que haja oportunidade de arrependimento (Jn 3.10). Assim sendo, é responsabilidade da Igreja fazer com que os povos ouçam a voz de Deus e sejam salvos do seu juízo. O Cordeiro cumpriu a sua parte e venceu. Falta cumprirmos a nossa! Que Deus nos ajude! Se o evangelho é universal, a morte do Cordeiro teve, também, o mesmo caráter, não há exclusividade neste ato de entrega voluntária e substituta em favor do homem. Não importa onde e como vivam, se nas florestas da Amazônia ou nas montanhas do Himalaia, todos são alvos da graça imerecida de Deus e precisam urgen­temente conhecê-la. E é aí que entra o papel transcultural da Igreja. Segundo Atos 1.8, sua visão não pode limitar-se à comunidade local, mas deve ampliar-se, até as últimas fronteiras do planeta. O texto transmite a idéia de simultaneidade. Enquanto a igreja evangeliza a cidade, seus olhos pousam mais além e vêem terras mais dis­tantes que estão brancas para a ceifa (Jo 4.35). O mesmo conceito é cristalino na visão de João. E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; (Apocalipse 5 : 9). Ali a expressão “de toda tribo, e língua, e povo e nação” implica na proclamação simultânea do evangelho até os confins da terra. A linguagem enfática determina que ninguém poderá ficar de fora. Todos os povos deverão ser alcançados. É interessante que o número quatro aparece de forma implícita, você notou? Tribo, língua, povo e nação, 4 itens! Na Bíblia, o 4 é símbolo de totalidade. Isto implica em afirmar, com absoluta segurança, que a doutrina de missões é bíblica, e que devemos fazer missões ainda que o próprio termo “missões” ou “missionário” não apareça nas Escrituras. Para tornar ainda mais séria a responsabilidade, o termo nação, que aparece em Mateus 28.19, vem do grego ethnos, cujo sentido é diferente da idéia geopolítica de países como são atualmente constituídos. Aqui significa povos na sua essência étnica, envolvendo cultura, tradições, “modo de vida”, visão de mundo e outras particularidades. Sob este ponto de vista, há pelo menos 12 mil povos espalhados no mundo, e todos, sem exceção, estão incluídos no plano da redenção. Não basta olhar os países, que somam hoje aproximadamente 240, mas cada “tribo, e língua, e raça, e nação”. Esta é a forma pela qual Deus vê o mundo, e acredito que ELE chamou o povo da Renovação dos Remidos para uma obra com Povos, Tribos, Línguas e Nações! A visão de Isaías sobre a missão messiânica e, por conseguinte, da Igreja é clara: “…também te dei para luz dos genti­os, para seres a minha salvação até à extremidade da terra” (Is 49.6; At 13.47). A transculturação, ou a missão transcultural, neste caso, significa encontrar em cada cultura os instrumentos adequados para proclamar de forma clara, aceitável e consciente a mensagem do evangelho. Há na Bíblia elementos da cultura judaica que não foram transplantados para o Cristianismo. O preparo do missionário, de igual modo, implica em ele saber que não lhe cabe transplantar no país onde exercerá o seu ministério elementos da cultura brasileira que fazem sentido apenas no Brasil. Desde que iniciei meu envolvimento com missões nacionais e transculturais tenho tido a infelicidade de ouvir pessoas cujos espíritos ainda não foram tocados para missões dizerem: porque fazer missões fora do país se ainda não estamos fazendo nem dentro? Ai é que está a questão, o despertamento deve ser tal que nos leve a fazer missões dentro e fora dos nossos termos geográficos. Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra, Atos 1,8. A expressão tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra, fala de ação simultânea, evangelizar todo o mundo ao mesmo tempo. Finalizando para que servem as missões transculturais? Para dar aos povos não alcançados a oportunidade de conhecer e receber Jesus como seu único e suficiente Salvador e serem salvos.

Que Deus abençoe o povo da Renovação dos Remidos!

Manual de procedimento para cultos nos lares.

Manual para procedimento em cultos domésticos
Manual para procedimento em cultos domésticos

Manual de procedimento para cultos nos lares.

Decidi escrever este manual por ver a necessidade de ensinar novos e corajosos obreiros a realizarem este tão importante e frutífero trabalho.

O que se segue é a experiência do meu trabalho juntamente com outros homens e mulheres cheios do Espírito Santo.

Cultos nos Lares é um método e programa de evangelismo bem antigo e reconhecido em nosso meio como algo que funciona. 

O culto doméstico visa RESGATAR pessoas que caminham para o fogo do inferno, razão pela qual não devemos ficar surpresos quanto aos ataques do príncipe das trevas CONTRA OS QUE FAZEM ESTA OBRA.

Assim sendo, o desejo do meu coração é que o material contido neste artigo possa ajudá-lo a compreender o propósito de Deus para a sua vida e ministério, pois acredito que cada membro é um ministro em potencial.

Temos como alvo através de Cultos nos Lares, que cada membro possa descobrir que tem valor, e que pode trabalhar na seara do Senhor.

Vamos começar definindo a palavra “CASA” “OIKOS” (no grego do N. T.) aparece 107 vezes, das quais seis vezes, refere-se a um Culto nos Lares, usando uma casa para reunião periódica.

  • Atos 5.42: todos os dias,no templo e nas casas, não cessavam de ensinar e de anunciar a Jesus Cristo”.

A casa do convertido era usada como local de Adoração e Ensino, identificando-o como cristão na sua comunidade.

  • Atos 20.20: como nada,que útil seja, deixei de vos anunciar e ensinar publicamente e pelas casas”, um programa equilibrado contém tanto a reunião de um grande grupo no (templo), quanto a de um grupo pequeno reunido no lar.
  • Romanos 16.5: Saudaitambém a igreja que está em sua casa. Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Ásia em Cristo”. Priscila e Áquila tiveram cultos em sua casa. A igreja cristã de Roma era composta destes vários cultos nos lares.
  • I Coríntios 16.19: As igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos afetuosamente no Senhor Áquila e Prisca, com aigreja que está em sua casa”. Aqui temos Áquila e Priscila em Éfeso, com uma igreja em sua casa novamente. Durante a semana a igreja se reunia nas casas e no dia do Senhor a grande celebração da festa do amor.
  • Colossenses 4.15: Saudai aos irmãos que estão em Laodiceia, e a Ninfa,e à igreja que está em sua casa”. Uma parte da igreja da cidade de Colossos se reunia na casa de Ninfa.
  • Esta foi à fase da igreja cristã, onde houve o maior crescimento. Creio que uma das razões era que a mensagem não estava desassociada da vida cotidiana dos seus membros.

O alvo do culto doméstico é a família e vizinhança.

A FAMÍLIA:

As famílias são constituídas de: Pais, filhos, primos, tios e avós, que compartilham a vida. Hoje a média é de 3 a 4 pessoas numa família, sem nenhum parente por perto, por isso a vizinhança também entra no plano de evangelismo do culto doméstico.

Peça à pessoa que cedeu a casa para o culto que convide seus vizinhos e amigos para este culto.

E no dia imediato chegaram a Cesaréia. E Cornélio os estava esperando, tendo já convidado os seus parentes e amigos mais íntimos. (Atos 10: 24)

A VIZINHANÇA:

Há 50 anos, as pessoas viviam na mesma vizinhança por toda a vida, conhecendo e sendo conhecida. Hoje a média é de uma mudança a cada cinco anos, tendo uma vizinhança totalmente estranha. Os grandes prédios produzem ainda maior distanciamento que as comunidades dos bairros. Mas a igreja pode e deve vencer esta barreira convidando seus vizinhos para o culto doméstico. Incentive os membros de sua igreja a fazer amizade na vizinhança, isso facilitará o convite. O versículo abaixo vai falar de um homem que tinha bom testemunho! Um crente com bom testemunho não terá problema em convidar alguém para um culto em sua casa!

E eles disseram: Cornélio, o centurião, homem justo e temente a Deus, e que tem bom testemunho de toda a nação dos judeus, foi avisado por um santo anjo para que te chamasse a sua casa, e ouvisse as tuas palavras. (Atos 10: 22)

A IGREJA E A FAMÍLIA:

Até a década de 60, a igreja era o centro da vida do seu membro e de sua família, do nascimento ao sepultamento. Hoje as coisas mudaram e precisamos incentivar a ida do povo à igreja ou até mesmo levar a igreja à casa da pessoa, e é aí que entra o culto doméstico.

Há muitas possibilidades fora da igreja explore todas!

A propósito o termo IGREJA vem do grego EKLÉSIA que quer dizer TIRADOS PARA FORA ou ainda a palavra IGREJA, em português, deriva do latim ECCLESIA, que, por sua vez, é uma transliteração, para o latim, da palavra grega eklesia.

O vocábulo eklesia significa “ajuntamento popular”, eram as assembleias locais da antiga Grécia, onde os magistrados decidiam a vida jurídica dos cidadãos, At 19:32, 41.

As pessoas eram convocadas TIRADOS PARA FORA de seus lares para atenderem a esta reunião.

Vá lá fora com toda coragem e faça a obra! Eu mesmo Pastor Luiz Antonio já fiz isso com a igreja que dirigi por vários anos e colhemos muitos frutos. Hoje em dia ainda há muitos que oferecem suas casas como extensão da igreja local, vamos usa-las.

O QUE É UM CULTO NOS LARES?

O Culto nos Lares é uma reunião cristã intencional, com número reduzido de pessoas, que acontece regularmente em lares diversos ou repetidamente no mesmo lar, com o propósito comum de pregar o evangelho ou agradecer (ação de graças) onde cada crente descobrirá e crescerá numa vida abundante em Cristo.

CUIDADOS DEVIDOS EM CULTOS NOS LARES.

  • O dirigente responsável por estes cultos deve ter alvos, propósitos e objetivos muito claros de gerar novos crentes, e deve fazer isto com muita maturidade.
  • Quando a igreja for numerosa será importante não levar muita gente a estes cultos para não por a pessoa dona da casa em apuros ou deixá-la preocupada quanto a acomodações.
  • O horário destes cultos é de suma importância tanto para o início quanto para o término. O dirigente responsável deve ser rigoroso na observação deste pormenor.

Minha experiência é que este culto deva começar depois das 20:00 horas quando ocorrer em dias de semana porque assim as pessoas da casa já terão tido tempo para jantar e preparar a casa para recepcionar os convidados e deve terminar as 21:00 horas para não transtornar a rotina das pessoas da casa.

  • Quando o culto for se repetir no mesmo lar, fica a critério do dirigente em comum acordo com o dono da casa se a reunião acontecerá semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente, de acordo com o propósito, necessidade e possibilidade dos membros que compõem o grupo.
  • É muito importante este tipo de trabalho e a igreja deve explorá-lo ao máximo.
  • O pregador do culto nos lares não deve em hipótese alguma atentar contra a fé das pessoas daquela casa, falando contra sua crença suas imagens ou coisa desse tipo, o objetivo do culto nos lares é pregar Jesus e não converter alguém pela força.
  • O pregador do culto nos lares não deve estender a pregação para não cansar o ouvinte. Deve ser lúcido, objetivo e sempre trazer um tema evangelístico.
  • Um apelo deverá ser feito sempre ao final de cada culto.
  • Uma oração pelas pessoas da casa deverá ser feita sempre ao final de cada culto.
  • Esta oração deverá ser ministrada por um Pastor caso haja um presente, e não havendo segue-se na escala hierárquica para baixo, (Evangelista, Presbítero, Diácono, Cooperador).
  • É necessário vigiar muito quanto à quem se dá oportunidades nestes cultos para não ocorrer o contrário do que já dissemos acima.
  • O dirigente dos cultos nos lares deve instruir previamente os participantes que as oportunidades devem ser breves e objetivas, visando sempre levar aos ouvidos do pecador a salvação em Cristo Jesus. “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”, atos 4,12.
  • Deixar um folheto evangelístico para as pessoas da casa com endereço da igreja ao término do culto é sempre uma ótima ideia!

Evangelizar a vizinhança com folhetos onde haja o endereço da igreja, antes após ou enquanto ocorre o culto no lar, é também é uma ótima ideia!

  • Mulheres cheias do espírito Santo bem como homens são muito bem-vindos a este tipo de trabalho, pois são a salvação em casos caóticos como os de possessão demoníaca e outros. (Você verá na prática!)
  • O uso de aparelhos sonoros, como caixas de som, guitarras etc. somente com permissão do dono da casa, pois pode ser que ele (a) se sinta constrangido ao perturbar a vizinhança com o barulho.
  • Em caso do uso de aparelhos sonoros é de suma importância que o volume não exceda os limites de conforto para os ouvidos, o bom senso vai dizer qual o volume ideal. Caro dirigente responsável, esteja muito atento a este item, dele dependerá o sucesso do culto e o possível retorno ao lar.
  • Os membros da igreja promotora do culto nos lares devem ter o objetivo e o acordo de praticar os procedimentos descritos neste manual para alcançarem o sucesso neste trabalho tão maravilhoso e não exporem o nome de Jesus ao ridículo.
  • Os cultos nos lares devem ser abertos àqueles que não são convertidos e que desejam ter uma vida em Cristo, (afinal eles são nosso alvo).
  • Se a residência for de fácil acesso à rua, obreiros preparados e cheios do Espírito Santo deverão se posicionar na porta de entrada ou portão para evitar entrada de pessoas indesejadas e garantir certa segurança ao evento. (Na prática você vai saber do que eu estou falando).
  • Os cultos nos lares devem ser abertos também àqueles que são convertidos e que desejam uma vida cristã mais profunda.

A vida abundante em Cristo e a salvação são os propósitos de cada culto nos lares. Claro que este manual não pretende ser a solução dos problemas de culto nos lares nem quero dizer que tudo ocorrerá sem falhas só porque você seguiu o que está escrito aqui, pois o culto nos lares é algo que depende de Cristo e sua atuação sobrenatural, mas se seguir você será muito bem-sucedido.

VANTAGENS DOS CULTOS NOS LARES PARA A IGREJA LOCAL

  • Ela vai crescer com certeza, tanto em quantidade quanto em qualidade!
  • Os Cultos nos Lares criam a possibilidade de atingir as necessidades de outros.
  • Nos cultos nos Lares Deus trabalha em nossas vidas através dos outros.
  • Este tipo de trabalho é uma excelente se não a melhor forma para evangelizar.
  • Fará com que a igreja produza um testemunho de evangelização em seu bairro.

DIFICULDADES DOS CULTOS NOS LARES PARA A IGREJA.

Hoje a tendência é de relacionamentos superficiais, cabe ao pastor local ensinar à igreja a necessidade de relacionamentos profundos e de amizade para que a pessoa que cedeu o lar se sinta amada. Não há um modelo pra isso, faça o melhor que puder.

  • O sucesso dos cultos nos lares dependerá muito de um dirigente motivado internamente que seja cheio do Espírito Santo e que ouça o clamor das almas.

O dirigente dos Cultos nos Lares precisa estar convicto do seu “Chamado Divino”, pois a sua motivação terá que vir de Deus.

Lembre-se que você estará entrando e influenciando a vidas de outras pessoas, seja agradável! Ser agradável não quer dizer absolutamente deixar de falar a dura verdade de Deus, mas falá-la com amor!

Os Cultos nos Lares expõem cada pessoa que dele participa, revelando o nível de compromisso espiritualidade e amor pelas almas que cada membro tem.

Queria usar este tópico para dizer que aquele cafezinho, chazinho etc. após o culto devem ser combatidos (salvo por insistência do anfitrião) para não gerar nenhuma espécie de compromisso ou despesa por parte de quem cede a casa.

Os Cultos nos Lares são uma experiência indubitavelmente enriquecedora, expresse seu entusiasmo, pois ao expressarmos o nosso entusiasmo, outros membros do grupo serão influenciados e transmitirão este entusiasmo a outros.

O objetivo do Culto nos Lares é gerar novos crentes e amadurecer os demais num ambiente favorável ao cumprimento da missão e da comunhão. Cultos nos lares é Missão!

ALGUMAS NECESSIDADES DO CULTO NOS LARES:

  1. Espírito de equipe (O grupo é meu e eu sou do grupo).
  2. Transparência (Expor qualidades e defeitos com todo o respeito é claro).
  3. Influência (Ajudar outros a crescer).
  4. Maturidade (Produzir crescimento).
  5. Dois componentes são absolutamente imprescindíveis na formação de um bom ambiente. O primeiro é entusiasmo e o segundo é o amor. “Sem ambiente as coisas acontecem por mero acidente”.

UM GRUPO COM COMUNHÃO

Ter alguém que nos ouça, nos compreenda e nos estimule é um tesouro de inestimável valor. Este é um dos objetivos pelos quais Deus nos chamou para fora de um mundo cheio de desamor e nos transportou para o reino do Filho do Seu Amor (Cl. 1:13). Expresse este amor com gestos e palavras e daqui a pouco você não terá mais como comportar as pessoas nos lares de tantos que serão aqueles que quererão te seguir!

A igreja foi constituída para, entre outras coisas, mostrar o calor da presença de Deus para os irmãos em Cristo e também para o mundo tão carente desse calor humano.

  • O dirigente dos cultos nos lares deve produzir o melhor ambiente possível. Dar exemplo de comunhão e ir à frente na execução da missão.
  • Qual o ambiente ideal para o Culto nos Lares?
  • O que deve acontecer no culto no lar? Perguntas como estas feitas à igreja farão com que você descubra o nível de conhecimento que a igreja tem a respeito desse tipo de trabalho. Caso não descubra passe uma cópia desse manual para cada pessoa que sai ao campo com você!

O nosso alvo, é que os Cultos nos Lares viabilizem o discipulado, colocando os crentes em ação, fora do templo!

Aquela velha ideia da dependência do Pastor (embora reconhecidamente, sua ajuda é de fundamental importância) deve ser combatida, pois MISSÃO SE FAZ COM CADA CRENTE.

Agora você está pronto, comece então sem demora os cultos nos Lares!

Porém antes de você começar quero perguntar? Você lê a Bíblia? Ela é seu livro de cabeceira? Ou você só a pega quando vai para a igreja?

  • O que devo fazer para me preparar bem para este início?
  • ORE, JEJUE, LEIA A BÍBLIA E MÃOS À OBRA!

QUALIDADES QUE O DIRIGENTE DOS CULTOS NOS LARES DEVE TER.

O primeiro dever do dirigente dos Cultos nos Lares é ser modelo dos discípulos!

Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus. (II Timóteo 1: 13).

Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. (I Timóteo 4: 12)

  • Ter vida devocional (leitura da Bíblia e Oração).
  • Bom relacionamento familiar.
  • Bom envolvimento com a Igreja local.
  • Compromisso com discipulado.

Pessoas são a nossa matéria-prima. Temos que aprender a trabalhar com elas e amá-las.

Para tanto, o dirigente dos cultos nos lares deve ser dedicado às pessoas.

FINALIZANDO SABE O QUE É O MELHOR DESSE MANUAL? É saber que os dirigentes dos Cultos nos Lares não nascem prontos, eles são desenvolvidos e equipados. Deus não somente usa pessoas preparadas, mas prepara pessoas para usar! Aleluia!

BUSQUE SEMPRE O APERFEIÇOAMENTO.

  • Saiba ouvir – Tiago 1.19.
  • Fazer boas perguntas (exemplo de Jesus).
  • Aperfeiçoar a participação do grupo nos cultos.
  • Familiarizar-se com o nível espiritual em que está o grupo que te ajuda.
  • Transmitir ânimo a ele.
  • Comunicar cuidado, calor humano e confiança, jamais use palavras que vão baixar o moral (o ânimo) do grupo sempre seja otimista, quando estiver em dificuldades busque ajuda do Pastor e principalmente do Sumo Pastor Jesus Cristo.
  • Preparar-se bem para as reuniões.
  • Treine futuros dirigentes que possam te substituir!

Que Deus te abençoe muito nesta tarefa, eu creio que Deus te chamou, e você o que pensa sobre isto?

RESPONDA PARA SUA EDIFICAÇÃO:

Deus tem te chamado para fazer parte da liderança de Cultos nos Lares?

(  ) sim                       (  ) não

Por Pastor Luiz Antonio – Instruindo o Povo de Deus.

.

Missionários no Brasil

Orem por estes valente de Jeová! Eles estão em todo o território nacional fazendo a obra do Pai.

ACRE

 

JORGE LUIZ SANTOS CRUZ
RUTH EMILIA DE SOUZA MORAIS CRUZ
 

 

ALAGOAS

 

VERA LÚCIA MATTOS 

 

AMAPÁ

 

ALEXANDRE FERNANDES BARBOSA
ANA PAULA SANTOS ALBUQUERQUE MELO SEVERINO
CARLA ANDRÉA BASTOS FERNANDES
DIRCEU BONONO SEVERINO
GRACIELY BRAGANÇA CHAVES
MARCOS CARVALHO CHAVES
 

 

AMAZONAS

 

ALYSSON BORGES REIS
CRISTIANE MÁRCIA ANDRADE SANTOS LIRA
MIRIÃ FLORES FRANCISCO BORGES REIS
 

 

BAHIA

 

CLÁUDIA SUZANA RIBEIRO
EDSON BARBOSA SOUZA
ELENIR PARDO COIMBRA
GERSON DE ASSIS PERRUCI
GIZALVA ALVES DE MENEZES SILVA
IVONILDE RAMOS DA SILVA CORDEIRO
LIZETE DE SOUZA PERRUCI
RISUETE DA SILVA
TIANDRA DA SILVA CORREIA
VALDELICE DOS SANTOS SOUZA
 

 

CEARÁ

 

  

 

VICENTE FELIX DA SILVA                              RITA MARIA F. A. M. SILVA                                     
ANA PAULA AMORIM
ANÁLIA DE LOURDES SANTOS
ANTONIO MARCOS CORREA XAVIER
ARIENE GLÁUCIA DA SILVA MACHADO
EDNA MARIA MOREIRA DA SILVA
FRANCISCO WASHINGTON OLIVEIRA
IVONEIDE NAIR DA SILVA
IZAÍAS EMÍDIO MACHADO
LEOCÍDIA NILA DE JESUS
MARCIA XAVIER DE MOURA XAVIER
MARIA DE FÁTIMA FERNANDES SILVEIRA OLIVEIRA
MARINELIA LOPES AMARAL
SEBASTIANA DA SILVA SOUSA
WILSON MARTINS DA SILVA
ZILANDA DA COSTA MAURÍCIO

DISTRITO FEDERAL

 

ANA MARIA PEREIRA DA SILVA
VALDIR SOARES DA SILVA
 

 

ESPÍRITO SANTO

 

LAUDECÉIA MIRANDOLA 

 

GOIÁS

 

DILENE NASCIMENTO RODRIGUES
GEREMIAS ROCHA DA SILVA
MARCIANITA CUNHA DE MENDONÇA
MARIA CONCEIÇÃO FERREIRA DA SILVA
SOLANGE MARIA GOMES
 

 

MARANHÃO

 

DEMILDA NUNES LIMA
EVERLI NASCIMENTO DE BARROS
HELENA DIVINA DE MORAIS
ISAÍAS PEREIRA LIMA
MARINETE FERREIRA DE SOUSA
 

 

MATO GROSSO

 

ADEMAR ALVES DOS ANJOS JR.
ILSE SINIAK DOS ANJOS
MARILENE DIAS SILVA MOREIRA
RUBENS DE SOUSA MOREIRA
 

 

MINAS GERAIS

 

CLÁUDIA REGINA S. RIBEIRO DE SOUZA
CLÉBER SEBASTIÃO FARIA DE SOUZA
DAYSE MARY DE ALMEIDA COELHO
ELDAS CALDEIRA DA SILVA CRUZ
ELI ANTONIO DA CRUZ
ELIANE MARIA RAMOS DOS SANTOS
ELISETE FERREIRA PAES MACEDO
ERENITA CARVALHO DE SÁ DE ALMEIDA
ERINETE CARVALHO DE SÁ MEDEIROS
FERNANDO RIBEIRO DE ARÊDE JÚNIOR
FRANCISCO VIEIRA MEDEIROS
GILBERTO DA SILVA OLIVEIRA
IDINALVA ANDRADE DOS REIS ARÊDE
JAINE SILVA FELICIANO
JONAS COELHO DA SILVA
JOSÉ CARLOS AZEVEDO DE ALMEIDA
LUCIENE PIRES DOS SANTOS
MARIA ANGÉLICA DA SILVA OLIVEIRA
PAULO ROBERTO MACEDO
ROSANGELA MARIA NOVAES RANGEL
SILAS DUARTE DOS SANTOS
 

 

PARÁ

 

AURIDÉIA SANTOS FERREIRA
DIRCE JOSÉ DE SOUZA
EDINA MARIA SANTOS PRADO
LUIS GONZAGA FERREIRA
 

 

PARAÍBA

 

ALDA GOMES DA SILVA
ANGELINA FALCOCHIO COURA
CIRINO REFOSCO
EMÍDIO SANTANA COURA
ISAÍAS VIEIRA COELHO
JOÃO SANTANA DOS SANTOS
LISONETE FLÓRIO DOS SANTOS
OLÍVIA VENÂNCIA DOS SANTOS SOUZA COELHO
REGINA HELENA FERREIRA REFOSCO
ROZÉLIA OLIVEIRA ARAÚJO
 

 

PARANÁ

 

ALEXANDRE MONTEIRO SANTOS
CLÁUDIO GOMES RIBEIRO
LUCIANA BORGES RIBEIRO
MÁRCIA DE ALMEIDA SANTANA
MÁRCIA SAYURI YAMAMOTO SHIMURA
MÁRIO IGOR SHIMURA
VALDIR TOMÉ
YANINA ANDREA PALERMO DE SANTOS
 

 

PERNAMBUCO

 

JOSETHE SOUZA MARQUES
LUCIANA GRACIETE GOUVEIA DA CONCEIÇÃO
RAY MILLER DA CONCEIÇÃO
 

 

PIAUÍ

 

ELIZABETE RODRIGUES DA CRUZ
EUSTÁCIO CORREIA DE CASTRO
JAIR DA CRUZ
LENIR OLIVEIRA DE CASTRO
 

 

RIO DE JANEIRO

 

AIDETE BRUM DA COSTA
ÉRIKA NUNES DOS SANTOS
EUNICE BARBOSA CORREA
GISLAINE MONTEIRO FREITAS
JEREMIAS NUNES DOS SANTOS
MARÍLIA MORAES MANHÃES
NILTON ANTÔNIO DE SOUZA
ROSELI ALVES DOS SANTOS
SANDRA MARA DE S. LUZ DE SOUZA
VALDEVAL DE ALMEIDA SANTOS
ZANDRA QUEILA DA SILVA QUEIROZ
 

 

RIO GRANDE DO NORTE

 

ELIEL DOS REIS SILVA
ELIZABETH BERTO OLIVEIRA DE PONTES
JOSÉ ROBSON DANTAS BEZERRA
LÍDIA SÂNZIA DE FRANÇA SILVA
MANOEL SOARES MOREIRA
MARCOLINO JUSTINO DE PONTES JÚNIOR
MARIZA JOSÉ SOARES
MARTA LUCINETE DA SILVA MOREIRA
NOEMIA BARBOSA MARQUES
ROSA MARIA TELES
ROSILENE RODRIGUES VIEIRA
 

 

RIO GRANDE DO SUL

 

BARBARA DA CONCEIÇÃO ARAÚJO
CLÁUDIO JOSÉ FARIAS DE SOUZA
DAVID MENDONÇA CARDOSO ARAÚJO
JOACYR MAGIOLI
JORGE SOUZA GARCIA
KELLEN CUNHA DE SIQUEIRA BENÍCIO
LAURETE DE AGUILAR GARCIA
MARCUS DA SILVA BENÍCIO
MARLY TAVARES PINHEIRO DE SOUZA
ROSÂNGELA SILVA MAGIOLI
 

 

RONDÔNIA

 

ADELCI ROSA SALES
ILMA REGINA CASTRO SARAMAGO DE SOUZA
JOEL CARLOS SILVA
LEANDRA MARIA BRAGA SALES
MARIA APARECIDA AMÂNCIO SILVA
SAMUEL GONÇALVES DE SOUZA
 

 

RORAIMA

 

ELIAS DE OLIVEIRA TAETS
NARA RUBIA DA SILVA COELHO TAETS
 

 

SANTA CATARINA

 

ENILCE DE AZEREDO
MARIA ELISABETE DE MELO
RONILCE RIBEIRO FERREIRA
SILAS HONORATO MARTINS
 

 

SÃO PAULO

 

ANA MÉRCIA DOS SANTOS
ANTÔNIO ROBERTO PINTO
EXEQUIAS CERQUEIRA SANTOS
JAQUELINE DE CARVALHO AUGUSTO
MARIA DO AMPARO MATOS PINTO
MARIA HELENA LEÃO SANTOS
ODETH BRITES MOREIRA
SÔNIA DE FÁTIMA FRANCISCO
SUELY DE SOUZA LIMA
 

 

SERGIPE

 

EDSON JOSÉ CERQUEIRA
LEVI LOPES
MARIA DO SOCORRO DINIZ
ROSA COSTA DOS SANTOS
RUTH MARIANO CERQUEIRA
SHIRLEY DOS SANTOS SOUZA E LOPES
VANESSA CRISTINA DA COSTA
 

 

TOCANTINS